NOTÍCIAS
Velocidade das ferrovias brasileiras está mais baixa do que em 2001
09/01/2018
Velocidade das ferrovias brasileiras está mais baixa do que em 2001

A velocidade das ferrovias brasileiras caiu tanto nos últimos anos que hoje um maratonista olímpico conseguiria superar os trens que circulam em vários trechos da malha nacional. Em alguns casos, as locomotivas e vagões andam, em média, a menos de dez quilômetros por hora (km/h) – número menor que os indicadores de 2001, quando as estatísticas começaram a ser levantadas. A melhor marca nacional, em torno de 27 km/h, está bem abaixo da registrada nos Estados Unidos, por exemplo, onde os trens circulam a 45 km/h.

Privatizadas há 20 anos e prestes a terem os contratos renovados antecipadamente, essas estradas de ferro enfrentam uma série de gargalos, que atrapalham a produtividade do transporte nacional – hoje altamente dependente das rodovias. A origem do problema tem várias vertentes. Começa com a morosidade e a incapacidade do governo de resolver conflitos de sua competência no setor; passa pela falta de investimentos adequados nas vias; e termina na saturação de alguns trechos, com o aumento de carga movimentada.

O resultado se reflete na curva de velocidade. Dados do Anuário Estatístico da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) mostram que de 2001 até 2016, a queda da velocidade dos trens variou de 5% e 76%.

Fonte: Estadão


ENCONTRE A SONAVE
NEWSLETTER
INDICADOR ECONÔMICO

Cotações fornecidas por Investing.com Brasil.
Cotações de Moedas fornecidas por br.investing.com
Av. Engenheiro Carlos Goulart nº 1015
4º Andar - Buritis - 30493-030
Belo Horizonte - MG - Brasil
Tel: +55 31 3319-2900
Fax: +55 31 3319-2929
Rua Marechal Deodoro nº 630
Praça San Marco. Centro - 80010-010
Curitiba - PR - Brasil
Tel: +55 41 3219-2010
Fax: +55 41 3225-4323
© SONAVE 2018 | Todos os direitos reservados
Desenvolvido por Agência Penta